Sobre Blog Bequimão Agora

Divulgar informações de interesse público visando fomentar a análise crítica dos acontecimentos que direta ou indiretamente tenham relação com o munícipio de Bequimão (MA)

Defensores, promotor e escrivão são assaltados em Bequimão

Homens colocaram pedras para impedir passagem de veículo na MA-06.
Polícia ainda não identificou os autores do assalto.

Do G1 MA, com informações da Mirante AM

Dois defensores públicos e o promotor da comarca de Pinheiro, MA, além do escrivão, identificado como Ronald Filho, foram assaltados na noite dessa segunda-feira (13), na MA-06, em Bequimão. De acordo com informações do delegado regional de Zé Doca, Luis Claudio Balbi, entre três e quatro homens teriam colocado pedras na via que liga Cujupe à cidade de Pinheiro para impedir a passagem do veículo em que as vítimas estavam.

“Eles estavam com armas longas, cujos calibres não conseguimos identificar. Levaram pertences de dentro do veículo, como celulares, uma quantia em dinheiro e documentos pessoais, além da arma do escrivão, que estava dentro da mochila dele. Ainda não identificamos os autores da ação~, mas estamos com equipes nas ruas para prendê-los”, afirmou o delegado. Ninguém foi preso até agora.

Quem ganhou e quem perdeu na eleição em Bequimão

O resultado das eleições em Bequimão vai além dos candidatos eleitos ou derrotados, no último dia 5. A disputa se deu também de forma indireta para medir a força politica e eleitoral das lideranças do município. Veja abaixo quem ganhou e quem perdeu:

SOBE

Zé Inácio (PT) – deputado estadual eleito e mais votado no município sai das urnas com grande força eleitoral no município com seus mais de 3 mil votos, apesar de ter sido contrariado no resultado final das urnas. Tinha como certa uma votação superior a 5 mil votos. Em nível estadual está órfão de grupo político. A oligarquia Sarney à qual se aliou está em decadência.

Antônio Diniz (PDT) – apesar da aposta de muitos políticos locais sobreviveu elegendo os deputados Othelino Neto (PCdoB) e Weverton Rocha (PDT). Isolado politicamente, conseguiu reunir forças para equilibrar a disputa local.

Elanderson (SDD) – seus candidatos a deputado estadual Othelino Neto e federal Zé Reinaldo (PSB) foram eleitos e muito bem votados no segundo maior colégio eleitoral que abrange a região de Mojó e Jacioca. Além disso, desempenhou importante papel de articulação na campanha vitoriosa de Flavio Dino em Bequimão, unindo em várias ações as diversas alas da oposição do município. Surge como liderança em ascensão com o bom trabalho no Legislativo Bequimãoense. O mandato combativo que vem fazendo na Câmara de Vereadores aliado ao trânsito politico do irmão jornalista Robson Paz, Secretário de Comunicação de São Luís, credenciam-no a vôos mais altos na política bequimãoense.

DESCE

Zé Martins (PV) – mesmo elegendo a dupla Sarney Filho e Adriano Sarney sai das urnas derrotado. Primeiro pelo revés de Edinho Lobão, a despeito de toda estrutura e empenho feitos na reta final de campanha. Segundo, porque o grupo Martins sempre teve o Palácio dos Leões a força de suas campanhas municipais. Sem o governo do Estado e a decadência dos Sarney suas pretensões de reeleger-se ficaram ainda mais dificieis.

Sinhô (PSB)  – amargou duas derrotas nas disputas pela Assembleia e Câmara dos Deputados com Ivaldo Rodrigues e Leonardo Sá, do PDT. Trabalhou para mostrar cacife eleitoral, mas mesmo com o apoio a militância do PP e do vereador Sassá não ultrapassou a marca dos 800 votos para o pinheirense. A falta de fidelidade ao PSB tende a lhe render problemas tanto em nível local quanto estadual entre os socialistas.

Cesar Cantanhede  (PTC) – não conseguiu a eleição do seu candidato a deputado estadual Ivaldo Rodrigues e a votação ficou aquém do que esperava mesmo tendo aliança com o vereador Sinhô. Perdeu parte de seu grupo que agora integra a base de Zé Inácio, deputado eleito. Conseguiu a eleição do deputado federal Zé Reinaldo (PSB), sua principal referência em nível estadual.

Grupo explode caixas eletrônicos de duas agências em Bequimão

Alvos foram agências do Banco do Brasil e Bradesco.
Quantia roubada não foi informada.

Do G1 MA

explosaobbbequimao2014legUm grupo de homens armados explodiu caixas eletrônicos de duas agências bancárias na madrugada deste sábado (11), em Bequimão, a 360 km de São Luís, na região da Baixada Maranhense, segundo informações da polícia.

explosaobradesbequi20144legg

De acordo com a polícia, os alvos foram agências do Banco do Brasil e uma do Bradesco. Testemunhas relatam terem visto seis homens, em três motocicletas. A quantia roubada não foi informada.

Zé Inácio é o primeiro bequimãoense eleito deputado estadual

Zé Inácio (D) conquista vaga na Assembleia Legislativa

Zé Inácio (D) conquista vaga na Assembleia Legislativa

O município de Bequimão ganha seu primeiro deputado estadual em 78 anos de emancipação: é Zé Inácio (PT) Foram 38.753 votos confirmados pelo TRE, ocupando a vigésima posição entre os 42 deputados estaduais eleitos neste domingo (05)

A vitória de Zé Inácio (PT) foi bastante comemorada em sua cidade natal, onde correligionários, eleitores e lideranças políticas  que o apoiaram durante a campanha, estiveram presentes parabenizando o petista.

Para Zé Inácio (PT), mais do que uma conquista democrática, as eleições de 2014 representam em sua vida  a oportunidade de representar sua região e a luta dos  trabalhadores do campo na  Assembleia Legislativa: “Minha gratidão ao povo do Maranhão e aos meus conterrâneos de Bequimão continuará sendo demonstrada com muita luta e trabalho em prol  das comunidades quilombolas e dos trabalhadores do campo que precisam de voz  e vez nas políticas públicas do Maranhão”, afirmou.

Zé Inácio  é advogado formado em Direito pela UFMA, onde iniciou sua militância política, atuando no movimento estudantil. Trabalhou em defesa dos direitos humanos, dos trabalhadores e trabalhadoras rurais e da população negra.

Desenvolveu também várias ações como membro da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MA).Foi Delegado do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) no Maranhão, de 2005 a 2010.Sua origem humilde demarca a opção profissional e política em defesa da população menos favorecida.

O petista traz consigo uma forte identidade pelas questões do campo e da cidade. Sua atuação no MDA foi voltada para a implantação dos programas do governo LULA, tais como: os Territórios Rurais, o Programa Territórios da Cidadania, os Colegiados Territoriais, os Projetos de investimento para os Municípios rurais (casas familiar rural, agroindústrias, centros de comercialização, etc), Crédito para Agricultura Familiar, através do PRONAF, criação e apoio aos assentamentos rurais e outras ações de infra estrutura sócio-econômica e produtiva.

Filiado ao Partido dos Trabalhadores desde 1990, militante dedicado à organização e construção do Partido que elegeu o Presidente Lula. Zé Inácio é um dos dirigentes políticos mais jovens e um dos mais influentes na defesa do Desenvolvimento Sustentável e da Agricultura Familiar no atual cenário maranhense.

Sua trajetória é marcada pela luta pela redução das desigualdades e da pobreza no Maranhão, na defesa da melhoria da qualidade de vida do homem e da mulher do campo, por meio do acesso as políticas públicas de qualidade, principalmente, de educação, saúde, esporte, cultura e lazer.

Zé Reinaldo: Finalmente o Reconhecimento

Por José Lemos *

josé_reinaldoAs urnas maranhenses abertas ontem finalmente fizeram justiça a um grande maranhense: o cidadão José Reinaldo Carneiro Tavares. Além de eleito Deputado Federal, recebeu votação expressiva, à altura da sua estatura de homem público comprometido com os maiores interesses dos nossos conterrâneos.

Não nos conhecíamos pessoalmente pelos idos do inicio deste milênio, por isso fui surpreendido por um convite dele, quando era Vice-governador e iria assumir o cargo de Governador, porque a titular do mandato iria se desincompatibilizar para concorrer ao Senado da República. Conhecedor do meu trabalho ele me convidou para conversar sobre o Maranhão. Fui com todo o prazer e tive a oportunidade de conhecer um brasileiro muito bem preparado tecnicamente e de grande sensibilidade. A partir dali eu aprendi a admirá-lo como homem público de grande envergadura.

Assumindo o Governo em abril de 2002, a grande sacada de Zé Reinaldo foi estabelecer uma meta de IDH a atingir. Na época o IDH era calculado por uma metodologia diferente da atual. A atual é mais sofisticada de um ponto de vista matemático e provoca um viés para baixo na maioria dos IDH aferidos pela metodologia anterior. Pela metodologia de então, o IDH maranhense de 2000 era de 0,636, o pior do Brasil. Vale ressaltar que também o era pela nova metodologia da ONU. Zé Reinaldo, inteligentemente, colocou no seu plano de Governo elevar aquele índice para 0,700 em 2006. Aquela passou a ser a “Meta mobilizadora” do Governo e todas as ações giravam em torno dela.

Para melhorar o indicador de renda, uma das componentes do IDH, recriou a Secretaria de Agricultura (Seagro), equivocadamente eliminada do organograma administrativo do estado pelo governo que lhe antecedera em 1998. Vinculadas à Seagro, criou as Casas do Agricultor Familiar (CAF). Contratou profissionais da área, e criou-lhes condições de trabalho. O Maranhão que havia chegado ao fundo do poço na produção agrícola, sobretudo aquela dos agricultores familiares em 1998, começou a recuperar a sua capacidade produtiva. Logo passou de uma posição marginal na capitação de recursos do Pronaf que detinha em 1999, 2000 e 2001, para protagonista, ao ponto de ter ficado na segunda posição em todo o Nordeste em 2006, tanto em número de contratos como em volume de recursos capitados. Por este instrumento elevou a renda dos maranhenses da zona rural e, por efeito transbordamento, para as zonas urbanas. O PIB per capita do estado deu saltos quantitativos importantes já a partir de 2004.

Um indicador importante do IDH é a esperança de vida ao nascer que tem a ver com o acesso ao saneamento, coleta sistemática de lixo e água encanada. Esses indicadores eram horríveis então. Seu Governo criou dois programas fundamentais: “Minha Unidade Sanitária” e “Agua em Minha Casa”. Programas que levaram saneamento minimamente adequado para as famílias rurais (onde a situação era mais crítica). Foi feito um programa intenso de perfuração de poços tubulares e construção de amplas redes de distribuição nos povoados dos municípios mais carentes. Famílias que nunca tiveram água nas torneiras passaram a tê-la. Um grande avanço!

Enfrentando a família que lhe fazia forte oposição, devidamente respaldada pelas ações do Presidente de então que, para não desgostar os novos aliados (aqueles mesmos que ele até bem pouco tempo não poupava adjetivos impublicáveis para desqualificar), conseguiu aprovar o Programa de Desenvolvimento Integrado do Maranhão, PRODIM. Com o Prodim foi possível, mesmo no pouco tempo em que o seu governo o administrou, levar ações estruturantes para os mais recônditos rincões maranhenses.

Zé Reinaldo teve a sabedoria de colocar pessoas competentes nos locais cruciais do Governo: Secretarias da Fazenda e de Planejamento. O Secretário de Fazenda conseguiu incrementar a arrecadação, sem aumentar alíquotas, apenas tornando-a mais eficiente. O Secretario de Planejamento agia com mão pesada no controle das despesas do estado, de tal sorte que os recursos propiciaram condições para que as politicas públicas avançassem. Tudo isso acontecendo apesar de uma divida contraída pelo governo anterior que sangrava o orçamento do estado em 50 milhões todos os meses.

Faltava ainda atacar na outra frente do IDH que era a elevada taxa de analfabetismo e a baixa escolaridade. Isso foi conseguido pelo mutirão de alfabetização que se implantou na época e pela construção de escolas de nível médio em todos os municípios. O Governo anterior as havia deixado em apenas 59 dos 217 municípios. Com todo este trabalho o IDH do Maranhão superou a meta, de acordo com a metodologia antiga, atingindo 0,705, e o Maranhão finalmente descolou da última posição do ranking que o colocava como o estados mais carente do Brasil.

Com este portfólio, Zé Reinaldo tinha garantida a eleição para o Senado da República se assim o desejasse em 2006. Mas de novo surpreendeu e pensando nas próximas gerações em vez do próprio próximo futuro, abdicou desta possibilidade para não deixar a administração em mãos não confiáveis que poderiam desmoronar tudo o que havia sido feito. Segurou até o final para ajudar a eleger o sucessor que poderia dar continuidade à sua obra. Conseguiu, numa proeza até então inimaginável: derrotar a família poderosa que dominava o estado. Infelizmente o seu trabalho não havia até aqui sido reconhecido pelos maranhenses. Reparo que é feito nestas eleições. Quem ganha com a eleição de Zé Reinaldo como Deputado Federal são os maranhenses e o Parlamento Brasileiro que não será mais o mesmo com o retorno desse homem de elevada qualificação e sensibilidade.

*Professor Associado e Coordenador do Laboratório do Semiárido (LabSar) na Universidade Federal do Ceará. http://www.lemos.pro.br;