Flávio Dino reduz e anistia IPVA para motos e incentiva legalização; Veja

Anúncios

Roseana Sarney recebeu propina do doleiro no Palácio dos Leões, diz Veja

7Reportagem da nova edição da revista Veja diz que um dos principais auxiliares do doleiro Alberto Youssef, Rafael Ângulo Lopez, entregava em domicílio dinheiro do esquema de corrupção da Petrobras a políticos. Entre os beneficiários, segundo a revista, estão a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney (PMDB), o senador Fernando Collor (PTB-AL), o ex-ministro das Cidades Mário Negromonte (PP-BA), o ex-deputado cassado André Vargas (ex-PT-PR), o deputado Luiz Argôlo (PP-BA) e o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

De acordo com Veja, Rafael Ângulo pagou R$ 900 mil em propina à governadora Roseana Sarney nas dependências do Palácio dos Leões. Baseada em depoimentos colhidos pela Polícia Federal, a revista relata que para liberarem parcelas de uma divida de R$ 120 milhões com a empreiteira Constran, também envolvida com o cartel da Petrobras, autoridades do governo maranhense exigiram R$ 6 milhões em propina. Cabia a Youssef mediar o acerto. O doleiro destacou Rafael Ângulo para levar parte do suborno.

A reportagem afirma que ele transitava sem levantar suspeitas pelos aeroportos. “Ele cumpria suas missões mais delicadas com praticamente todo o corpo coberto por camadas de notas fixadas com fita adesiva e filme plástico, daqueles usados para embalar alimentos. A muamba, segundo ele disse à polícia, era mais fácil e confortável de ser acomodada nas pernas”, diz trecho. Dois ou três comparsas o auxiliavam quando o transporte envolvia valores mais altos.

Sempre segundo Veja, usando de sua habilidade de esconder dinheiro no corpo, Rafael Ângulo veio três vezes ao Maranhão. Sem ser admoestado pela fiscalização, levou sob as roupas R$ 300 mil de cada vez. A bolada, de acordo com anotações do seu arquivo, foi entregue ao então chefe da Casa Civil, João Abreu, no interior do Palácio dos Leões.

Rafael anotava e guardava comprovantes de todas as suas operações clandestinas. “É considerado, por isso, uma testemunha capaz de ajudar a fisgar em definitivo alguns figurões envolvidos no escândalo da Petrobras”, destaca a publicação. Ele se ofereceu para fazer um acordo de delação premiada, pelo qual o acusado tem sua pena reduzida em troca da colaboração com as investigações.

Veja lembra que Roseana Sarney aparece no escândalo da Lava Jato desde a deflagração da operação, em março passado. Não por acaso, Alberto Youssef foi preso pela Polícia Federal no Hotel Luzeiros, na Ponta d’Areia. A ex-governadora é citada como beneficiária de propina no depoimento do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, que também fez acordo de delação premiada com a Justiça, e da contadora Meire Poza.

Segundo Poza, a propina entregue por Rafael Ângulo teria sido paga ao governo para que a empresa UTC/Constran furasse a fila dos precatórios e recebesse os R$ 120 milhões que o governo do Maranhão lhe devia antecipadamente. De acordo com a contadora, no dia 10 de setembro de 2013, houve uma reunião para acertar os detalhes com João Abreu, a presidente do Instituto de Previdência do Estado, Maria da Graça Marques Cutrim; a procuradora-geral Helena Maria Cavalcanti Haickel; e secretário de Planejamento João Bringel.

Por intermédio de sua assessoria, Roseana Sarney negou à Veja qualquer ligação com a quadrilha. Ela também informou que entrou em contato com João Abreu e que este também “negou veementemente que tivesse recebido dinheiro do doleiro Youssef”.

Defensores, promotor e escrivão são assaltados em Bequimão

Homens colocaram pedras para impedir passagem de veículo na MA-06.
Polícia ainda não identificou os autores do assalto.

Do G1 MA, com informações da Mirante AM

Dois defensores públicos e o promotor da comarca de Pinheiro, MA, além do escrivão, identificado como Ronald Filho, foram assaltados na noite dessa segunda-feira (13), na MA-06, em Bequimão. De acordo com informações do delegado regional de Zé Doca, Luis Claudio Balbi, entre três e quatro homens teriam colocado pedras na via que liga Cujupe à cidade de Pinheiro para impedir a passagem do veículo em que as vítimas estavam.

“Eles estavam com armas longas, cujos calibres não conseguimos identificar. Levaram pertences de dentro do veículo, como celulares, uma quantia em dinheiro e documentos pessoais, além da arma do escrivão, que estava dentro da mochila dele. Ainda não identificamos os autores da ação~, mas estamos com equipes nas ruas para prendê-los”, afirmou o delegado. Ninguém foi preso até agora.

Grupo explode caixas eletrônicos de duas agências em Bequimão

Alvos foram agências do Banco do Brasil e Bradesco.
Quantia roubada não foi informada.

Do G1 MA

explosaobbbequimao2014legUm grupo de homens armados explodiu caixas eletrônicos de duas agências bancárias na madrugada deste sábado (11), em Bequimão, a 360 km de São Luís, na região da Baixada Maranhense, segundo informações da polícia.

explosaobradesbequi20144legg

De acordo com a polícia, os alvos foram agências do Banco do Brasil e uma do Bradesco. Testemunhas relatam terem visto seis homens, em três motocicletas. A quantia roubada não foi informada.

Deu na Reuters: Advogados protocolam pedido de impeachment de governadora do Maranhão

ReutersSÃO PAULO, 14 Jan (Reuters) – Um grupo de advogados que atuam na defesa dos direitos humanos protocolou nesta terça-feira na Assembleia Legislativa do Maranhão um pedido de impeachment da governadora do Estado, Roseana Sarney (PMDB), a quem acusam de omissão na crise que afetou o sistema prisional maranhense.

O Estado ganhou as manchetes nas primeiras semanas de 2014 por causa da crise vivida no presídio de Pedrinhas, onde presos têm sido assassinados e decapitados, e pela onda de violência que chegou a matar uma criança na capital, São Luís, depois que o ônibus em que ela estava foi incendiado por bandidos.

“Eles (advogados) argumentam que a governadora se omitiu ao não garantir os direitos humanos dos detentos de Pedrinhas”, disse à Reuters por telefone o deputado estadual Othelino Neto (PCdoB), que faz parte do bloco de oposição ao governo de Roseana e recebeu o pedido dos advogados como membro da comissão de recesso do Legislativo maranhense.

Entre os relatos de abusos de direitos humanos em Pedrinhas está o de que mulheres que fazem visitas íntimas a detentos sofrem abuso sexual na unidade.

O parlamentar disse que a partir do recebimento do documento, o presidente da Assembleia, Arnaldo Melo (PMDB), tem o prazo de 15 dias para criar uma comissão para analisar o pedido. A governadora terá o mesmo prazo para se defender das acusações e, depois disso, a comissão também terá 15 dias para decidir se abre ou não um processo de impeachment.

Othelino, que é do mesmo partido do presidente da Embratur e pré-candidato ao governo do Maranhão na eleição deste ano pelo PCdoB, Flávio Dino, disse que o bloco de oposição a Roseana na Assembleia maranhense ainda vai estudar o pedido para decidir qual posição irá tomar.

Os parlamentares que apoiam o governo de Roseana, filha do senador José Sarney (PMDB-AP), são maioria na Assembleia Legislativa do Maranhão.

(Reportagem de Eduardo Simões)