Flávio Dino autoriza convocação de excedentes do concurso de professores

13312680_573557186138392_7536327522829748991_n“Autorizei a convocação de excedentes do concurso de professor para provimento das vagas dos que não tomarem posse “, afirmou o Governador do Maranhão, Flávio Dino, na tarde desta terça-feira05. A declaração é referente ao último concurso de professores realizado pelo Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado de Educação (seduc), em 2015. No certame foram ofertadas 1.500 vagas e mais 300 para o cadastro de reserva.

A chamada é referente às vagas do quadro da Seduc que não foram preenchidas na última convocação, ocorrida no dia 26 de maio deste ano. A secretaria está levantando a quantidade de vagas disponíveis e divulgará nos próximos dias o quantitativo e listagem com nome dos professores chamados, que deverão apresentar documentação e tomar posse de forma imediata.

Ainda de acordo com a Secretaria, as vagas são remanescentes dos profissionais que não tomaram posse por pendências de documentação, por questões pessoais ou profissionais.  Quanto aos que serão chamados, estes receberão o salário de R$ 4.985,44, para o regime de trabalho de 40 horas semanais, valor que é uma das melhores remunerações entre as pagas nas redes estaduais do país.

Concurso

O concurso foi lançado em novembro de 2015 para o preenchimento imediato do quadro permanente da Seduc, o qual contou com a participação de mais de 83 mil candidatos de todo o país. Foram ofertadas 1.500 vagas e 300 para o cadastro de reservas para 18 disciplinas. Deste percentual, 230 profissionais atuarão na Educação Especial, que está sendo contemplada pela primeira vez em um certame público estadual. Os educadores aprovados integrarão a equipe de profissionais da Seduc e serão lotados em unidades de Ensino das zonas rural e urbana.

Anúncios

Começa reforma de escola que receberá unidade do Iema em Bequimão

13557774_1208161352528212_7751321898300726551_nO governo Flávio Dino começou ontem as obras de reparos e adaptações da escola Liliosa Cantanhede, que receberá a unidade do Iema (Instituto Estadual de Ciência e Tecnologia), no município de Bequimão.

A unidade vocacional do Iema, solicitada pelo vereador Elanderson (PCdoB), vai oferecer cursos técnicos para jovens e adolescentes de Bequimão, Alcântara, Peri-Mirim e outros municípios da região.13533301_1208160909194923_2327209060173282719_n

“Mais uma ação do Governo Flávio Dino em Bequimão. Dessa vez priorizando a juventude bequimãoense e dos municípios vizinhos. Agradeço ao governador Flávio Dino e ao secretário Jhonatan Almada por terem nos atendido e oportunizarem aos nossos jovens a possibilidade de se profissionalizarem”, afirmou o vereador Elanderson em seu perfil nas redes sociais.

A mensagem foi compartilhada pelo governador Flávio Dino no Twitter. A previsão da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Informação (Secti) é que as obras sejam concluídas em 60 dias para que a unidade do Iema seja inaugurada ainda neste início de segundo semestre.

FDretwiter

Governo Flávio Dino repassa R$ 134,4 mil para transporte escolar de Bequimão

O Governo do Estado repassou, nesta semana, mais de R$ 2 milhões para 66 municípios maranhenses, que aderiram ao Programa Estadual de Apoio ao Transporte Escolar no Estado do Maranhão (Peate/MA) e estão aptos a receber o recurso. A Prefeitura de Bequimão recebeu R$ 134,4 mil.

Com a medida, 26.062 estudantes do Ensino Médio da rede pública estadual, que residem nas zonas rurais do Estado, estão sendo beneficiados com os recursos. Em Bequimão, serão 672 alunos beneficiados.

peate1

Instituído pelo governador Flávio Dino no ano passado, por meio da Lei 10.231, o Peate tem como objetivo propiciar acesso a meios de transporte e transferir recursos financeiros diretamente aos municípios que realizam, nos seus respectivos territórios, o transporte escolar de alunos de ensino médio da rede pública estadual. O programa funciona em caráter complementar ao Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (Pnate), do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), por meio do qual o Estado repassa diretamente aos municípios que aderem ao programa, o equivalente a R$ 200 reais per capita aluno/ano.

De acordo com o secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, o valor complementar repassado pelo Peate é superior ao transferido pelo Programa Nacional (Pnate), cujo valor per capita é de R$ 148,07 reais. “Atualmente o Estado repassa o equivalente a R$ 200 reais por aluno durante o ano, valor 25% superior ao que o Governo Federal transfere a cada município, por estudante. Este programa também está dentro das ações do ‘Escola Digna’, que visa o regime de colaboração com os municípios e demonstra o compromisso do governador Flávio Dino com a educação de nosso Estado, garantindo transporte digno e com segurança aos estudantes maranhenses”, destacou.

Os números válidos para o cálculo são do Censo Escolar do Inep/MEC, relativos ao ano anterior. Os recursos são transferidos diretamente aos municípios, em nove parcelas, podendo custear despesas com reforma, seguros, licenciamento, impostos e taxas, pneus, câmaras e serviços de mecânica em freio, suspensão, câmbio, motor, elétrica e funilaria, recuperação de assentos, combustível e lubrificantes do veículo.

Celebrando a esperança e dignidade

ROBSON PAZ*

DSC_8373A escola é certamente uma das instituições públicas mais presentes na vida dos maranhenses. É também seguramente o serviço público com maior potencial de transformação de nossa sociedade.

Por certo esta é uma das razões da felicidade e emoção de professores, alunos e pais com a recente reestruturação e entrega de mais de 30 escolas pelo governo. Outras dezenas estão em obras por todas as regiões do Estado e até 2018 serão construídas 300 escolas dignas.

A sede de educação com qualidade foi manifestada, por meio de discursos e manifestações de agradecimento ao governador Flávio Dino, nos municípios.

Em Coroatá, onde três escolas foram completamente restauradas, profissionais da educação e alunos sublinharam a emoção de ver que, agora, além dos bons profissionais, terão boas acomodações, melhor estrutura e equipe qualificada para trabalhar. “Hoje, já não somos mais invisíveis e a prova disso é que estou aqui em nome de todos os alunos da escola Clodomir Millet agradecendo esse gesto que nos dignifica e nos motiva ao aprendizado”, disse a aluna, emocionada.

Foram décadas de abandono das escolas, que culminou com a falta de professores, material didático, ventiladores quebrados, carteiras danificadas e falta de merenda com qualidade. “Após esta longa espera um dia apareceu um governador querido enviado por Deus e que vendo a nossa angústia de nós se compadeceu e realizou o milagre”, nas palavras da professora de São Mateus, a constatação de que o sonho de ter escolas dignas se tornou quase uma súplica.

Há relatos de escolas com mais de 30 anos sem passar por reformas. De um estudante são-mateuense o reconhecimento da dimensão transformadora da educação. “…este investimento que o governo faz é a mais forte maneira de acabar com a criminalidade, oportunizando uma educação de qualidade para todos”.

Difícil acreditar que aqueles que governaram por meio século o Maranhão tenham desprezado tanto a educação de nossa gente.

O patrono da educação brasileira Paulo Freire traduziu com rara sensibilidade e precisão as razões que levam as classes dominantes a negarem tão precioso direito. “Seria uma atitude ingênua esperar que as classes dominantes desenvolvessem uma forma de educação que proporcionasse às classes dominadas perceber as injustiças sociais de maneira crítica”.

Não por acaso, aqueles que deveriam zelar pela garantia de serviços públicos, no passado, estão envoltos em delações sob acusação de desvios milionários de recursos públicos. Um contraste com a celebração da esperança e dignidade de quem crer que com escolas dignas teremos uma sociedade capaz de promover a verdadeira libertação das injustiças sociais, a efetiva democratização e a transformação da realidade excludente da maioria dos maranhenses. Cenário que começa a mudar a partir da valorização dos professores, da reestruturação e democratização das escolas, tornando-as dignas das esperanças de nosso povo.

*Radialista, jornalista. Subsecretário de Comunicação Social e Assuntos Políticos

Descaso: prefeito fecha escolas em povoados de Bequimão

IMG-20160603-WA0016[1]

Enquanto crianças ficam sem aulas no município de Bequimão, escolas foram desativadas pelo prefeito Zé Marins (PMDB). Na escola do povoado Santa Vitória, o mato toma conta de quase toda a fachada da escola. O lixo nos arredores ameaça as pessoas por se transformar em criadouros do mosquito da dengue. A área em frente à unidade, que poderia ser aproveitada para atividades de recreação dos alunos ou para uma horta escolar, projeto que chegou a ser desenvolvido em outras gestões, se transformou em um grande matagal.

IMG-20160603-WA0030[2]Outra das muitas escolas que se encontram abandonada pela administração do PMDB é a Escola Anexo Macajubal, pertencente à Unidade integrada Codozinho. A unidade escolar se transformou em depósito. Uma cela foi encontrada pela reportagem do blog sobre a janela da cantina. Uma cena bem diferente do que pode ser encontrado em uma escola.

IMG-20160603-WA0018[1]Com a falta de professores e dificuldade para gerenciar a rede municipal de ensino, o prefeito Zé Martins parece não se importar com as dificuldades que os pais dos alunos enfrentam diariamente para deixar seus filhos nas escolas que estão com suas atividades regulares, que segundo os moradores, são bem distantes dos povoados onde residem.

Várias escolas estão abandonadas e sofrem com a ação do tempo. Outro exemplo do descaso é a escola do Baixo Escuro, que está com parte do telhado ameaçada de desabar. O local está servindo apenas para casas de marimbondos. Mesmo pelo lado de fora, o blog pôde registrar grande número de livros didáticos sendo desperdiçados.b06c2a7c53579020bc416b6a67d84099

Também nos povoados Jacioca e Frederico as escolas foram fechadas pela prefeitura. Um detalhe, no entanto, chama ainda mais atenção: os prédios foram desativados depois de passarem por reformas. Se é que se pode chamar pintura de reforma.

IMG-20160603-WA0033[1]Enquanto o governo do Estado tem se esforçado para tirar o Maranhão do atraso na educação com a criação do Programa Escola Digna, que substitui escolas de taipas, barro e palha em todo Estado por escolas de alvenaria, Bequimão regride e fecha as portas das escolas. Uma lástima!

 

Quem sabe faz a hora

Por Flávio Dino

13346453_574179629409481_2955459562683931313_nAs imagens esta semana de uma escola maranhense alegraram-me por ser um bom exemplo das mudanças verdadeiras que, progressivamente, estamos fazendo. Em lugar de uma escola toda deteriorada que havia antes, as fotos mostram a requalificação da sua estrutura, oferecendo boas condições para a comunidade escolar. E a antiga placa, que antes exibia o nome do terrível ditador Médici, agora estampa o nome do genial educador Paulo Freire, um dos maiores brasileiros de todos os tempos.

Neste final de semana, nosso governo entregou 30 escolas reconstruídas, em todas as regiões do Estado. Elas receberam melhorias como a instalação de aparelhos de ar condicionado nas salas de aula, reforma de banheiros, pinturas de fachadas, troca de telhados, reparos em pisos e áreas comuns, e requalificação da estrutura interna. Temos mais 30 reconstruções em fase final, para inauguração no próximo mês. E quase 200 escolas já receberam manutenção preventiva e corretiva. Não temos dúvida de afirmar: isso jamais ocorreu na história do Maranhão.

Das obras de reconstrução, 11 foram definidas a partir de demandas apresentadas nas escutas territoriais do Orçamento Participativo. É um resultado efetivo do aumento do poder de voz da população maranhense por meio desse instrumento decisório. A população, quando consultada, frisou que a qualificação do ambiente de ensino permite melhorar o trabalho dos professores e o aprendizado dos alunos. E nós atendemos a esta demanda.

É só o começo. Como parte do Programa Escola Digna, estamos com cerca de 100 escolas com obras já iniciadas ou em fase de contratação, de um total de 300 que fixamos como meta do nosso Governo. São escolas que serão doadas aos municípios, para substituir as escolas de taipa e palha. A primeira delas já está pronta, fruto de parceria com a empresa Agroserra, e será entregue no município de Fortaleza dos Nogueiras. Importante destacar que outras 8 empresas privadas já se comprometeram a ajudar o Governo do Estado nessa luta contra as escolas precárias.

Estamos enfrentando também um dos mais graves problemas do Maranhão, que é o grau de analfabetismo, um dos maiores do país. Para lutar contra esse problema, estamos implantando o programa “Sim, Eu Posso”, em parceria com organizações da sociedade civil. Ele visa alfabetizar mais de 14 mil pessoas entre jovens, adultos e idosos em 8 municípios maranhenses com baixo IDH e elevado índice de analfabetismo. Nesse programa, 1.500 candidatos se inscreveram no processo seletivo para escolha de 71 coordenadores e 702 alfabetizadores do Projeto, abrangendo os municípios de Aldeias Altas, Água Doce do Maranhão, Governador Newton Bello, Jenipapo dos Vieiras, Itaipava do Grajaú, Santana do Maranhão, São João do Carú e São Raimundo do Doca Bezerra. Em outros 100 municípios, temos as ações do programa Brasil Alfabetizado, do Governo Federal.

Essas ações fazem parte de um esforço do Governo de Todos Nós, em meio a uma grave crise mundial e nacional, para seguir ampliando investimentos em educação. Essa é a principal medida de longo prazo que devemos tomar em momentos de crise: investir no que realmente é importante e estratégico. Em vez de cortes na educação, estamos aumentando os investimentos para garantir uma estrutura digna para a educação que alarga os horizontes da juventude maranhense e aumenta sua qualificação profissional. Se isso tivesse sido feito há 20 ou 30 anos atrás, a realidade social do Maranhão era outra. Mas nunca é tarde para começar e correr atrás do tempo perdido. A fé dos profissionais da educação, com os quais tive contato nas visitas às escolas, só faz aumentar a minha convicção de que estamos em um caminho certo. Quem sabe, faz a hora. Avante.

Advogado, 48 anos, Governador do Maranhão. Foi presidente da Embratur, deputado federal e juiz federal.

Governo vistoria prédio para implantar unidade do IEMA em Bequimão

IMG-20160602-WA0006[1]O governo do Estado, através da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação realizou vistoria no prédio da antiga escola estadual Liliosa Cantanhede, em Bequimão, onde será implantado a nova Unidade do IEMA no estado. A vistoria foi feita esta semana pelo engenheiro Luis Edmundo.

A unidade do IEMA foi solicitada pelo vereador Elanderson Pereira (PCdoB) junto ao governador Flavio Dino, para capacitar jovens dos municípios de Bequimão, Peri Mirim e Alcântara.

IMG-20160602-WA0010[1]A unidade IEMA em Bequimão deverá ofertar cursos de acordo com a vocação regional, onde será feito um estudo técnico para então, ser definida a grade curricular da escola.

De acordo com o vereador Elanderson, a escola profissionalizante vai trazer uma nova perspectiva de vida para os jovens de Bequimão e toda região. “Será muito importante essa unidade do IEMA para os nossos jovens. Pois, eles concluem o ensino médio e muitas vezes não conseguem acessar o mercado de trabalho por falta de qualificação profissional” disse.

IMG-20160602-WA0009[1]Durante a vistoria, foi constatado que o prédio passará por pequenos reparos e adequações como, reestruturação do telhado e forro em algumas salas de aulas. O período estimado para a conclusão das obras será de três ou quatro meses. Após a conclusão dos serviços, a escola deve entra em funcionamento.