Investimentos em políticas sociais

Do Jornal O Imparcial

DSC_8373ROBSON PAZ*

Nas últimas décadas, prevaleceu em São Luís e no Maranhão a cultura de que governante “bom” é aquele que constrói obras suntuosas – viadutos, pontes, estádios, hospitais… Um equívoco, pois no mais das vezes estas “grandes obras” passam ao largo das reais necessidades da população.

Casos de desperdício e mesmo de desvio de recursos públicos com projetos monumentais e ditos redentores pululam no país. Um modelo de gestão socialmente fracassado.

Dos gestores esperam-se práticas inovadoras, que elevem os interesses coletivos e a qualidade de vida nas cidades. Investimentos corretos em educação, saúde, segurança, infraestrutura, que resultem em melhores indicadores sociais e promovam desenvolvimento.

Soluções simples, mas de resultados impactantes.

Um olhar mais atento sobre nossa São Luís verá uma série de bons exemplos executados pelo governo do Estado.

Iniciativas com foco na inclusão social, como o projeto Travessia, o programa Bolsa Escola (Mais Bolsa Família). O primeiro garante cidadania e dignidade às pessoas com deficiência, que tem acesso a transporte gratuito com conforto e segurança.

O segundo oportuniza a milhares de alunos direito à compra de material escolar e ainda incrementa a economia da cidade ao investir recursos no mercado local.

O Pacto pela Paz, que assegura remuneração extra aos policiais militares e civis por arma apreendida. Mais que reconhecimento ao trabalho de policiais, se traduz em redução dos índices de violência. Os conselhos comunitários de segurança promovem integração entre poder público e sociedade na luta contra a violência.

A democratização das escolas com eleições diretas para gestores. Medida que aproxima a escola com seus diretores e professores dos pais e alunos em busca de educação com mais qualidade. A reconstrução de escolas, que por décadas foram abandonadas. O programa Cidadão do Mundo, que leva estudantes de escolas públicas para fazer intercâmbio em outros países.

O transporte a preço justo com conforto e segurança para a população. Aquilo que parecia utópico tornou-se realidade com a criação do Expresso Metropolitano, hoje, um dos serviços públicos mais bem avaliados em nossa cidade.

A garantia de mobilidade urbana também com projetos criativos, como as vias Interbairros, intervenções na rotatória do aeroporto e na Forquilha, o Mais Asfalto em parceria com a Prefeitura de São Luís.

A garantia de alimentação nutritiva, saudável e a preço simbólico, com a entrega de novos restaurantes populares e inclusão de jantar nas unidades antes existentes. Os Sisteminhas, que garantem assistência técnica e apoio financeiro a pequenos produtores da zona rural.

O apoio às famílias com a criação do Centro de Referência em Neurodesenvolvimento, Assistência e Reabilitação de Crianças (Ninar), hoje, referência nacional.

Trata-se de um conjunto de políticas públicas importantes, que demonstram a preocupação com o ser humano. Em melhorar verdadeiramente a vida das pessoas que mais precisam, sem, contudo, descuidar dos grandes investimentos. Não mais como mera política de pão e circo, mas com o olhar voltado para o desenvolvimento, com distribuição de renda e oportunidade para todos.

*Radialista, jornalista. Subsecretário de Comunicação Social e Assuntos Políticos

Anúncios

Dificuldades, união e trabalho

ROBSON PAZ

DSC_8373São Luís, 1º de Janeiro de 2013. Hospitais de urgência e emergência sob intervenção do estado. Escolas depredadas por vândalos. Malha viária dos bairros destruída. Servidores com salários atrasados. A cidade estava um caos.

A dívida da Prefeitura cerca de R$ 1 bilhão. O orçamento anual de R$ 2,3 bilhões. Repare que a dívida correspondia a quase metade do orçamento previsto. Estava ruim e piorou com o boicote do governo do Estado, por questões políticas, penalizando a população. Único município a não ter convênio com o Estado e a pagar R$ 2 milhões mensais ao Estado, atinentes a dívidas pretéritas.

Tudo isso sob ataque sistemático de império midiático. O ápice por certo está no anedotário da mídia local e, quiçá, nacional. Uma dessas reportagens operou o milagre de fazer “paraplégico” levantar da cadeira de rodas e andar. Esperava por ônibus com elevador para pessoas com deficiência.

Poucas vezes um gestor ludovicense enfrentou quadra tão hostil quanto o prefeito Edivaldo Júnior, nestes três anos e meio.

A posse do governador Flávio Dino renovou as esperanças da população. A tão sonhada e esperada parceria entre governo e município finalmente se concretizou e os resultados começam a aparecer. Mas, eis que o país é tomado pela avalanche da crise econômica e financeira, que assola principalmente os municípios. Hoje, mais de 600 cidades atrasam ou parcelam salários dos servidores.

Contudo, é nas tormentas que se revelam os grandes navegadores. Apesar das dificuldades, há avanços importantes. São Luís mantém em dia salário dos servidores. Os Socorrões atendem à população reduzindo a quase zero a fila de macas nos corredores; unidades mistas de saúde foram reformadas; o Samu e o Hospital da Mulher passaram a funcionar plenamente. O Hospital da Criança está em construção e será ampliado para melhor atender os pequeninos.

A mobilidade urbana melhora com a construção de 14 vias Interbairros – parceria entre os dois governos. Várias intervenções foram realizadas nas principais avenidas para dar fluidez ao trânsito. A histórica e inédita licitação do sistema de transporte da cidade demonstra a responsabilidade e compromisso da gestão. Mais de 400 Km de pavimentação nos bairros da cidade, dos quais quase 100 km resultantes da parceria com o programa Mais Asfalto.

Na habitação, cerca de 10 mil casas populares foram entregues em parceria com o governo federal para a população de baixa renda.

São Luís vive raro momento de união entre governo do Estado e Prefeitura de São Luís. Os tempos de guerra entre os Palácios La Ravardière e dos Leões é coisa de um passado, em que querelas políticas e ideológicas se sobrepunham à população. Agora, prevalece o republicanismo e a parceria institucional, que se espera perene. Para o bem de nosso povo.

*Radialista, jornalista. Subsecretário de Comunicação Social e Assuntos Políticos

Celebrando a esperança e dignidade

ROBSON PAZ*

DSC_8373A escola é certamente uma das instituições públicas mais presentes na vida dos maranhenses. É também seguramente o serviço público com maior potencial de transformação de nossa sociedade.

Por certo esta é uma das razões da felicidade e emoção de professores, alunos e pais com a recente reestruturação e entrega de mais de 30 escolas pelo governo. Outras dezenas estão em obras por todas as regiões do Estado e até 2018 serão construídas 300 escolas dignas.

A sede de educação com qualidade foi manifestada, por meio de discursos e manifestações de agradecimento ao governador Flávio Dino, nos municípios.

Em Coroatá, onde três escolas foram completamente restauradas, profissionais da educação e alunos sublinharam a emoção de ver que, agora, além dos bons profissionais, terão boas acomodações, melhor estrutura e equipe qualificada para trabalhar. “Hoje, já não somos mais invisíveis e a prova disso é que estou aqui em nome de todos os alunos da escola Clodomir Millet agradecendo esse gesto que nos dignifica e nos motiva ao aprendizado”, disse a aluna, emocionada.

Foram décadas de abandono das escolas, que culminou com a falta de professores, material didático, ventiladores quebrados, carteiras danificadas e falta de merenda com qualidade. “Após esta longa espera um dia apareceu um governador querido enviado por Deus e que vendo a nossa angústia de nós se compadeceu e realizou o milagre”, nas palavras da professora de São Mateus, a constatação de que o sonho de ter escolas dignas se tornou quase uma súplica.

Há relatos de escolas com mais de 30 anos sem passar por reformas. De um estudante são-mateuense o reconhecimento da dimensão transformadora da educação. “…este investimento que o governo faz é a mais forte maneira de acabar com a criminalidade, oportunizando uma educação de qualidade para todos”.

Difícil acreditar que aqueles que governaram por meio século o Maranhão tenham desprezado tanto a educação de nossa gente.

O patrono da educação brasileira Paulo Freire traduziu com rara sensibilidade e precisão as razões que levam as classes dominantes a negarem tão precioso direito. “Seria uma atitude ingênua esperar que as classes dominantes desenvolvessem uma forma de educação que proporcionasse às classes dominadas perceber as injustiças sociais de maneira crítica”.

Não por acaso, aqueles que deveriam zelar pela garantia de serviços públicos, no passado, estão envoltos em delações sob acusação de desvios milionários de recursos públicos. Um contraste com a celebração da esperança e dignidade de quem crer que com escolas dignas teremos uma sociedade capaz de promover a verdadeira libertação das injustiças sociais, a efetiva democratização e a transformação da realidade excludente da maioria dos maranhenses. Cenário que começa a mudar a partir da valorização dos professores, da reestruturação e democratização das escolas, tornando-as dignas das esperanças de nosso povo.

*Radialista, jornalista. Subsecretário de Comunicação Social e Assuntos Políticos

Ensino profissionalizante para a juventude de Bequimão

13263870_1152368668147676_8730805410691844884_nO vereador Elanderson (PCdoB) apresentou indicação na Câmara Municipal solicitando ao governador Flávio Dino a implantação do Instituto Estadual de Tecnologia do Maranhão (IEMA), no município de Bequimão.

Na última quarta-feira, 25, o secretário Jhonatan Almada (Ciência e Tecnologia), acompanhado do subsecretário Robson Paz (Comunicação e Assuntos Políticos), do vereador Elanderson, professores e outras lideranças vistoriaram o prédio da escola Liliosa Cantanhede, onde deverá ser instalada unidade do IEMA vocacional no município.13307352_1152368694814340_1713858425748099088_n

“Estivemos em escola de Bequimão onde instalaremos IEMA Vocacional”, afirmou Johnatan.

Com mais de 20 mil habitantes, Bequimão possui duas escolas de ensino médio e nenhuma unidade de ensino técnico profissionalizante. O vereador afirma que a implantação do IEMA na cidade beneficia ainda os municípios vizinhos de Alcântara, Peri-Mirim e Central do Maranhão, principalmente após a construção da ponte que liga os dois municípios.

13241156_1152368674814342_1006392614397120225_n“Nosso município precisa de um estabelecimento de ensino da rede pública que ofereça aos jovens da nossa cidade ensino técnico integrado ao ensino médio, que os capacitem profissionalmente para o ingresso no mercado de trabalho”, afirma o vereador comunista.

Ele sugere ainda que o IEMA seja sediado no prédio da escola Liliosa Cantanhede, que pertence ao governo do Estado, e está desativado. “É um prédio centralizado, facilita o acesso aos estudantes e tem espaço amplo e estrutura física que pode ser adaptado para receber o instituto”, disse.

Elanderson elogiou o programa de educação profissionalizante criado pelo governador Flávio Dino, que conta com unidades em funcionamento nos municípios de São Luís, Bacabeira e Pindaré-Mirim.

Para Robson Paz, o sonho da juventude dos municípios de Bequimão, Peri-Mirim e Alcântara, que está cada vez mais próximo de se realizar. “O IEMA oferece cursos profissionalizantes para adolescentes e jovens. É mais conhecimento e oportunidade para todos”, disse.

Com informações do Jornal Itapetininga