Ensino profissionalizante para a juventude de Bequimão

13263870_1152368668147676_8730805410691844884_nO vereador Elanderson (PCdoB) apresentou indicação na Câmara Municipal solicitando ao governador Flávio Dino a implantação do Instituto Estadual de Tecnologia do Maranhão (IEMA), no município de Bequimão.

Na última quarta-feira, 25, o secretário Jhonatan Almada (Ciência e Tecnologia), acompanhado do subsecretário Robson Paz (Comunicação e Assuntos Políticos), do vereador Elanderson, professores e outras lideranças vistoriaram o prédio da escola Liliosa Cantanhede, onde deverá ser instalada unidade do IEMA vocacional no município.13307352_1152368694814340_1713858425748099088_n

“Estivemos em escola de Bequimão onde instalaremos IEMA Vocacional”, afirmou Johnatan.

Com mais de 20 mil habitantes, Bequimão possui duas escolas de ensino médio e nenhuma unidade de ensino técnico profissionalizante. O vereador afirma que a implantação do IEMA na cidade beneficia ainda os municípios vizinhos de Alcântara, Peri-Mirim e Central do Maranhão, principalmente após a construção da ponte que liga os dois municípios.

13241156_1152368674814342_1006392614397120225_n“Nosso município precisa de um estabelecimento de ensino da rede pública que ofereça aos jovens da nossa cidade ensino técnico integrado ao ensino médio, que os capacitem profissionalmente para o ingresso no mercado de trabalho”, afirma o vereador comunista.

Ele sugere ainda que o IEMA seja sediado no prédio da escola Liliosa Cantanhede, que pertence ao governo do Estado, e está desativado. “É um prédio centralizado, facilita o acesso aos estudantes e tem espaço amplo e estrutura física que pode ser adaptado para receber o instituto”, disse.

Elanderson elogiou o programa de educação profissionalizante criado pelo governador Flávio Dino, que conta com unidades em funcionamento nos municípios de São Luís, Bacabeira e Pindaré-Mirim.

Para Robson Paz, o sonho da juventude dos municípios de Bequimão, Peri-Mirim e Alcântara, que está cada vez mais próximo de se realizar. “O IEMA oferece cursos profissionalizantes para adolescentes e jovens. É mais conhecimento e oportunidade para todos”, disse.

Com informações do Jornal Itapetininga

Anúncios

A força transformadora da juventude

Por Flávio Dino

Foto 3_KarlosGeromy - Inclusão de Adolecentes e Jovem no Mercardo de TrabalhoQuando em uma de suas primeiras pregações, o Papa Francisco falou aos jovens sobre a esperança encontrada na prática cristã, ele também aconselhou os novos catequizados: “Apostem em grandes ideais, aqueles que alargam o coração, ideais de serviço que fecundam os seus talentos. A vida não é dada para que a conservemos para nós mesmos”. Um recado de um grande líder, que alia simplicidade a capacidade mobilizadora e diz muito sobre as bases para que consigamos construir um futuro mais digno. É esse ensinamento que trabalhamos para colocar em prática: apostar na capacidade imaginativa e realizadora dos jovens do Maranhão.

O programa Cidadão do Mundo, que lançamos na semana que passou, é um desses investimentos que revolucionam pessoas, porque lhes proporciona vivências que muitas vezes pareciam impossíveis diante de barreiras socioeconômicas. Anualmente, 100 jovens de 18 a 24 anos serão selecionados a partir de seu desempenho no ENEM e de curso de proficiência em língua estrangeira para estudar por até seis meses em outro país. O primeiro edital já sairá agora no fim de agosto.

A oportunidade dada aos jovens da rede pública de ensino, de conhecer novas culturas, é mais um passo para a diminuição das desigualdades sociais históricas em nosso Estado. Por isso, este é um programa libertador para jovens que outrora viam os entraves econômicos como barreira intransponível, mas que a partir de agora poderão ter vivências educacionais em outros países e conhecer novas experiências civilizacionais, de onde poderão voltar mais preparados e com horizontes mais amplos.

Além disso, com ações concretas estamos priorizando investimentos de infraestrutura educacional, com foco nos jovens para os quais tradicionalmente tudo é negado. São projetos como a criação dos Institutos Estaduais de Educação, Ciência e Tecnologia (Iema) para formação profissional dos jovens; fortalecimento e ampliação de nossa Universidade Estadual; criação dos Núcleos de Educação Integral, dentre outros.

O protagonismo desses jovens será fundamental para melhorar a realidade do Maranhão. Desde a Universidade, muitos deles terão oportunidade de utilizar seus conhecimentos acadêmicos nos municípios de menor IDH do Estado, através do programa Rondon Regional, que criamos este ano em parceria com o Ministério da Defesa. Nele, estudantes e professores universitários levarão conhecimento e ações nas áreas de Educação, Saúde, Esporte, Cultura e Produção  para a população das cidades escolhidas.

Na mesma linha, o programa Juventude em Cena estimula a criatividade e o espírito artístico dos jovens nos espaços urbanos do Maranhão. A primeira edição aconteceu no bairro Coroadinho de São Luís, e a partir de agosto chegará a outros municípios em itinerância conjunta entre as secretarias de Juventude e Cultura, com exposições de arte, oficinas de fotografia e vídeo, dança, música e desenvolvimento de blogs voltados para os jovens.

Finalmente, menciono o programa CNH Jovem, para o qual tivemos inspiração em experiência anterior conduzida pelo saudoso ex-governador de Pernambuco, o querido companheiro e amigo Eduardo Campos. Sua primeira edição maranhense foi implantada em 2015, está com inscrições abertas até o dia 31 de julho e já no segundo semestre vai conceder carteira de habilitação gratuita para 2.000 jovens de 18 a 21 anos, que tenham estudado em escolas públicas.

Cada um dos programas voltados para a juventude são pensados e colocados em prática porque acreditamos no protagonismo dos jovens como agentes de construção de um Maranhão mais justo. Por isso, apostamos em sua capacidade criativa, produtiva e mobilizadora como elemento fundamental de transformação social, compromisso que deve unir todos os maranhenses.

Advogado, 47 anos, Governador do Maranhão. Foi presidente da Embratur, deputado federal e juiz federal

DIÁLOGOS COM A JUVENTUDE

Por Flávio Dino

No fim da semana passada, participei de um ótimo encontro com jovens da região tocantina, realizado na cidade de Imperatriz. Ao longo de toda uma manhã, ouvi as ideias, angústias e propostas de mais de 500 jovens da região. Ontem, o encontro foi em São Luís, com jovens da Grande Ilha.

Em Imperatriz, os próprios estudantes foram anotando seus desejos em um painel chamado “Sonhos para o Maranhão”, que ficará em exposição na sede do nosso Partido. Um dos jovens, perguntado sobre quais os sonhos tinha para o Maranhão, respondeu: “TUDO!”.

Achei muito interessante essa resposta porque ela resume bem os anseios da juventude. E assim é mesmo em nossas vidas. Desejamos “tudo”, no sentido que queremos bem-estar para nossa família e um futuro digno para todos os que nos cercam. Em um ambiente estendido, assim também é o que desejamos para toda a sociedade e, realmente, queremos “tudo”: educação, saúde, segurança, emprego e desenvolvimento para nosso estado.

Entre os jovens, esses temas tornam-se ainda mais fortes. Quando olhamos os números de violência no Brasil e, em específico, no Maranhão, nos choca o verdadeiro extermínio de parte importante da população jovem.

Somente em 2011, foram 52.198 jovens assassinados em todo o Brasil. Segundo relatório da Presidência da República, o Maranhão está entre os estados que “observam suas taxas subirem de forma acentuada e descontrolada”. Nos últimos  anos, o índice de assassinatos de jovens maranhenses subiu 153%.

Falei aos jovens da região tocantina e da ilha de São Luís que conheço diversas experiências positivas de redução de crimes violentos, como o Programa Pacto Pela Vida. Em nosso estado, o governo deve assumir um papel de líder de um grande pacto institucional e social de redução de violência e proteção de seus cidadãos. Isso exige ações permanentes e articuladas de várias instituições do Estado, como o Poder Judiciário e o Ministério Público, além das polícias e organizações sociais que trabalham com o tema.

No governo de Pernambuco, essa estratégia obteve grande êxito, chegando mesmo a ser premiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento. Na Bahia, o mesmo programa foi implantado mais recentemente. E também já se fez sentir na vida dos baianos: houve redução de 7,6% nos crimes contra a vida em 2013. No Maranhão, ao contrário, a violência só cresce, a partir da assustadora força do tráfico de drogas e das quadrilhas.

Outro tema pulsante para os jovens é o da educação. Precisamos fortalecer a UEMA e ampliar o número de universidades estaduais ao longo de todo o território maranhense, a exemplo do que já foi feito em outros estados. Diferentes universidades, com reitores próprios e autonomia financeira para tomarem e executarem decisões.

E também temos de investir na educação profissionalizante. É preciso dar oportunidades a nossos jovens para que possam encontrar vagas no mercado de trabalho, batalhar por uma vida melhor e, ao mesmo tempo, ficar longe das drogas. Nesse campo, nem é preciso dizer que falta muito a construir. Até o início deste ano, o Maranhão era o único estado da federação que não tinha um aluno inscrito no Sisutec (Sistema de Seleção da Educação Profissional e Tecnológica). O fato foi denunciado por deputados da oposição na Assembléia e, só então, o governo estadual se mexeu para aderir ao sistema.

Juntos, temos de buscar e concretizar soluções para as demandas da juventude, criando com nossas mãos o Maranhão mais justo e com mais oportunidades, com que tanto sonhamos.

Que os versos inspirados do maranhense Deusamar Santos, no belíssimo hino “Nossa Linda Juventude”, animem sempre a nossa caminhada: “Voa e diz ao mundo liberdade, pois nada é impossível transformar. A fé, a força e a nossa união, removem ditadores do lugar.”

Uma jornada para o Brasil

Flávio Dino

Flavio dinoEsta semana estarei no Rio de Janeiro para acompanhar de perto um capítulo essencial para o ciclo virtuoso que o turismo brasileiro está vivendo. A visita do Papa Francisco ao nosso país, durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), integra com destaque a rota de megaeventos realizados no país – que teve início durante a Conferencia da ONU Rio+20 em junho do ano passado e culminará com os Jogos Olímpicos e ParaOlímpicos de 2016.

Nosso país vai recepcionar uma quantidade enorme de turistas, contribuindo para que superemos a meta estipulada para este ano de 6 milhões de estrangeiros. Parte deles já está no Brasil desde a semana passada, conhecendo as belezas de nosso país e a cultura do nosso povo, antes de rumar ao Rio de Janeiro, onde ocorre a JMJ.

Nos 5 dias de evento, os turistas nacionais e estrangeiros irão gerar mais de R$ 658 milhões de impactos econômicos diretos. Com os efeitos indiretos na economia brasileira, haverá um impacto total de R$ 1,2 bilhão, muito superior aos investimentos públicos e privados realizados para sediar o evento.

Mas o principal ponto positivo é que parte significativa desse dinheiro vai direto para o bolso do microempreendedor do turismo, de comerciantes e de vendedores ambulantes, que fazem parte da extensa cadeia produtiva do setor. Repete-se, assim, o sucesso obtido na Copa das Confederações, quando o turismo movimentou mais de R$ 740 milhões na economia do país.

Muito além desse significativo impacto imediato, há um efeito positivo de longo prazo, que é o mais importante. A imagem de nosso país será projetada para centenas de milhões de pessoas no mundo todo. Mais de 5 mil jornalistas estão credenciados para cobrir a Jornada Mundial da Juventude – um recorde em relação às outras edições do evento.

As imagens do Cristo Redentor, no Rio, e da Basílica de Aparecida, no estado de São Paulo, serão reproduzidas para pessoas em todo o mundo. As milhares de reportagens sobre o Brasil, que serão reproduzidas em todo o planeta, representam um ganho espetacular, que apenas seria possível ultrapassar se fizéssemos um investimento massivo em publicidade no mundo inteiro, com custos incalculáveis e inviáveis.

Ha que se considerar, ainda, que os jovens participantes de hoje serão pais e mães de família amanhã, e terão o Brasil como uma referencia para novas viagens de lazer ou para participarem de outros eventos.

Da parte da Embratur, colaboraremos com essa megaexposição instalando um telão na Plaza del Vaticano em Buenos Aires. A cidade do Papa Francisco poderá assistir à JMJ ao ar livre, com vídeos retratando nossos principais destinos turísticos e com espetáculos de vários artistas brasileiros, como o maranhense Zeca Baleiro. Além disso, a Embratur patrocina a Central Digital do Cristo Redentor, com imagens e informações sobre todos os estados brasileiros, de modo a que os milhares de visitantes possam desenvolver interesse por novas viagens pelo Brasil.

Esses impactos, obviamente, não são importantes apenas para o Rio de Janeiro, que sedia o evento. O Rio é o principal cartão-postal do Brasil no exterior. Quanto maior sua exposição no mundo, mais turistas podemos trazer para o país. E quanto mais turistas, mais empregos e oportunidades de negócios para milhões de brasileiros.

Flávio Dino, 45 anos, é presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), foi deputado federal e juiz federal