Deu na Folha: Planilha sugere repasse ilegal de R$ 400 mil a Sarney Filho

Da Folha de S. Paulo

16167210O acordo de delação premiada de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, relacionou mais um ministro do governo Michel Temer. Uma planilha com valores e datas produzida por Machado e entregue à PGR aponta que o filho do ex-presidente da República José Sarney, Sarney Filho, atual ministro do Meio Ambiente, recebeu R$ 400 mil como “vantagens ilícitas em doações oficiais” no ano de 2010.

Naquele ano, Sarney Filho foi candidato a deputado federal pelo PV (Partido Verde) do Maranhão. Segundo a prestação de contas entregue à Justiça Eleitoral em 2010, a direção estadual do PV no Maranhão recebeu R$ 1 milhão em doações durante a disputa eleitoral. Desse total, R$ 400 mil vieram da empreiteira Camargo Corrêa e R$ 135 mil da construtora Queiroz Galvão.

Na planilha entregue por Machado, o valor de R$ 400 mil ligados a Sarney Filho aparece ao lado da sigla “CC”, provável referência à Camargo Corrêa. Há na planilha outros valores ligados a José Sarney e à sigla “QG”, suposta referência à empreiteira Queiroz Galvão.

Nos depoimentos que prestou na delação premiada, Machado não citou o nome do atual ministro do Meio Ambiente, mas a planilha entregue por ele inclui o nome de Sarney Filho. O papel descreveria a forma pela qual Machado distribuiu ao ex-presidente Sarney um total de R$ 18 milhões em “vantagens ilícitas” entre 2006 e 2014. Nesse período, Machado presidia a Transpetro, subsidiária da Petrobras.

Machado assim descreveu sua relação com José Sarney e a decisão de começar a pagar: “Conheço Sarney desde 1982, quando ele foi candidato a vice-presidente da República. No ano de 2006, fui procurado por ele, que relatou suas dificuldades em manter sua base política no Amapá e Maranhão, e pediu ajuda. Eu disse que ia examinar e ver o que poderia ser feito. Definimos então um pagamento anual para a sua sustentação política.

Esse pagamento se deu mediante doações oficiais e não oficiais, realizadas por meio de pagamento de vantagens ilícitas pelas empresas que possuíam contratos com a Transpetro. Os pagamentos foram realizados até o ano de 2014″.

Segundo o delator, esses valores foram pagos em doações oficiais ou em espécie, com dinheiro providenciado por empresas que tinham contratos com a Transpetro.

OUTRO LADO

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, informou à Folha, em nota, que “tudo pode se esperar de um indivíduo que chegou ao cúmulo de gravar uma pessoa de 86 anos no leito de hospital, como fez esse monstro moral, Sérgio Machado”.

O ministro afirmou que “dizer que doações oficiais, amplamente publicizadas e aprovadas pela Justiça Eleitoral, seriam produto de ‘vantagens indevidas’, pedida por meu pai, é muito fácil para um picareta que, como ele, não teve o pudor de usar seus três filhos na roubalheira bilionária que promoveu”.

“Vi esse marginal várias vezes na casa de meu pai, de quem se dizia amigo, porém nunca conversamos nada que levantasse de minha parte a menor suspeita sobre o bandido que ele é”, disse o ministro, na nota.

Folha apurou, sobre a referência do ministro a suposta gravação em leito do hospital, que os autos trazidos a público nesta quarta-feira (15) não confirmam que Machado fez gravação semelhante com o ex-presidente José Sarney. As gravações com o ex-presidente teriam ocorrido em sua residência, em Brasília.

Uma resposta em “Deu na Folha: Planilha sugere repasse ilegal de R$ 400 mil a Sarney Filho

  1. O blogueiro deveria ter mais responsabilidade em publicar matérias, pois em momento algum a delação do senhor Sérgio Machado registra o pagamento de R$ 400 mil de propina ao então deputado e agora ministro Sarney Filho, como diz a grande imprensa. O que esse senhor diz, de fato, é que o mesmo recebeu doações legais. Basta ver a sua prestação de contas e comprovarás que ele recebeu doações de empresas, de forma legítima, legal e declarada. Todas as contas foram aprovadas pelo TSE. Sempre esteve comprometido com as causas socioambientais e por diversos momentos desagradou interesses privados pela defesa, firme e constante, dos direitos difusos da sociedade. Por fim, o ministro Sarney Filho não foi formalmente acusado de nada. Nada há contra ele, senão a palavra de um criminoso. Se isso vale mais do que toda uma vida dedicada a uma causa, pobre deste Brasil!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s