No ensino médio, rendimento é maior com envolvimento dos pais

Por Ana Cássia Maturano 

Os resultados de mais uma avaliação das escolas brasileiras saíram. As notícias são promissoras. De acordo com o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2011, a meta proposta pelo Ministério da Educação (MEC) foi superada pelo ensino fundamental I e II e atingida pelo ensino médio.

Esse índice é calculado considerando-se o rendimento escolar (taxas de aprovação, reprovação e abandono) e médias de desempenho na Prova Brasil. A ideia é atingir, até 2021, índices europeus, o que foi conseguido atualmente por 3% de escolas de ensino fundamental II e 12,88 % do fundamental I.

Esses dados referem-se ao Brasil como um todo. Porém, variam de acordo com a região, o que não é nenhuma surpresa. A região Nordeste, por exemplo, tem os índices mais baixos considerando-se os anos finais do ensino fundamental. O sudeste apresenta os melhores resultados. As coisas melhoraram, mas as diferenças entre as regiões do país continuam – a mais rica tem uma educação melhor que a mais pobre. A boa escola depende de investimento financeiro e também do interesse de que as coisas mudem.

Indo mais além, existem diferenças gritantes entre as escolas. Enquanto umas não conseguiram atingir 1,0 de média, outras ultrapassaram a casa dos 8,0. Ainda temos muitos problemas nessa área. A diferença da qualidade de ensino é uma delas, tornando a educação algo injusto em nosso país.

Um dado que chamou a atenção é que a nota dos anos iniciais do fundamental teve um crescimento maior em relação às séries finais e ao ensino médio. A ideia é que houve um investimento maior na fase inicial da escolarização. É o caso da antecipação da entrada do aluno na escola – antes era aos sete anos e hoje é aos seis. Como se vê, quando há empenho, os resultados aparecem. Porém, está mais do que claro que o avanço da educação formal não depende só da escola ou do quanto o poder público se importa com ela. Depende também do aluno e da família por trás. Tanto é assim, que algumas escolas atribuem seus bons resultados ao envolvimento dos pais.

No final do ensino fundamental, ou mesmo no médio, os jovens estão em uma fase mais complicada da vida: a adolescência. São tantas coisas para resolver internamente, em uma época em que o espírito contestador e opositor se inflama, que é até esperada uma queda em seu rendimento. Mesmo que isso seja comum de acontecer, não quer dizer que o aluno deva ser colocado na posição de pobre coitado e que as coisas fiquem como estão. Pelo contrário.

É aí que entra a família. Mais do que nunca, os jovens precisam dela, mesmo que digam o contrário. Além de a fase ser complicada para os pais, eles consideram que os filhos dão conta da escola sozinhos, e acabam deixando tudo por conta deles. Veem isso como uma condição para que cresçam.

Realmente é a fase de caminharem sozinhos, ninguém vai ficar lembrando o filho sobre ter que fazer a lição ou estudar para a prova. Essa responsabilidade deve ser construída antes. Porém, é preciso que os pais estejam atentos, cobrem empenho de seus filhos e os consequentes resultados (naquilo que podem oferecer). Não dá para entrarem na adolescência junto com eles.

No início da escolarização, a participação da família geralmente é intensa. Quando ela vai chegando ao fim, os pais se afastam.

Os índices do governo federal dão um sinal positivo. Mas, em se tratando de educação, que ninguém ache que já está tudo certo. Principalmente num país como o nosso, em que o problema nessa área parece ser crônico. Para crescermos é necessário muito investimento do poder público, aliado ao envolvimento do aluno e sua família com a aprendizagem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s