Classe C: A Arte de “Cair Prá Cima”*

José Lemos*

Ainda adolescente, concluindo o Curso Colegial, ou Cientifico (nível médio como se diz hoje) no glorioso Liceu Maranhense, eu estava num impasse acerca do meu futuro. Gostaria de fazer vestibular para um dos cursos que então eram oferecidos pelas Universidades Maranhenses: Medicina, Farmácia, Odontologia ou Direito.

Qualquer daqueles cursos estava muito distante da minha realidade, pois implicava em mais cinco ou seis anos como dependente de uma renda muito escassa da nossa família. Alem disso, a minha vocação maior era para estudar matemática, física e química. Gostava de biologia, mas não o bastante para dedicar-me a um curso que tivesse naquela disciplina a sua base de sustentação: casos de Medicina e Odontologia.

Eu tinha conseguido comprar, depois de reunir economias dando aulas de matemática, o Livro do Sinésio de Farias (“Curso de Álgebra”). Livro pesado. Literalmente, e em conteúdo. Resolver seus exercícios era objetivo de quem queria dar vôos elevados. Eu os queria, mas esbarrava nas parcas posses familiar.

Sonhei com a coleção, em quatro volumes de livros de Física, do Dalton Gonçalves: Dois volumes de Mecânica, um de Ótica e outro de Eletricidade. Pedi para o meu único irmão, espécie de segundo pai, aquela coleção. Fiz sem muita convicção, é certo, porque era muito cara. Qual não foi a minha grata surpresa quando recebi das mãos dele, os quatro volumes daqueles livros que “faziam a cabeça” dos jovens da minha geração. Aquele foi um dos melhores presentes que ganhei na minha vida.

Aprendi, com o volume dois daquela coleção (Dinâmica), um dos fundamentos que nos ajudam a entender os fenômenos naturais: A “Lei Newtoniana da Gravitação Universal”. A lei recebeu o nome do seu criador, o físico inglês Isaac Newton.

Por essa lei apreende-se que a atração gravitacional da terra atribui peso a todos os objetos. A implicação deste fenômeno é que, qualquer objeto sendo solto de uma determinada altura, sempre será atraído pela terra, e se precipitará em sua direção.

Por causa dela, a terra, e os outros planetas, se mantêm nas suas respectivas órbitas em torno do sol, e a lua permanece em órbita em volta do nosso planeta. Ela é também a responsável pela formação das marés e de tantos outros fenômenos naturais.

E tudo nós demonstrávamos com equações bem conhecidas de quem queria fazer vestibular para entrar num bom curso universitário. Qualquer estudante de nível médio, independente da posição que estivesse no “abcdário” social e econômico, era capaz de enveredar por um mundo daquele, que era um misto de sonhos, magia e realidade. Isto porque as escolas públicas, onde estudávamos, tinham qualidade.

Nada disso se aplica agora, porque os atuais detentores do poder, além de inventores das cotas, do politicamente correto, de ter Ministério da Educação que produz cartilhas que ensinam escrever, e falar errado, também resolveram contrariar a Lei da Gravidade. Agora também se “cai prá cima” no Brasil. Aquelas belas equações encontradas no meu velho livro de Física não tem qualquer validade, ao menos para aqueles que são identificados como estando na Classe “C” pelos governantes de hoje.

Segundo eles, essa gente, na companhia daqueles que se “jactam” em está na Classe “D” e “E”, está “subindo econômica e socialmente”. Pobre Isaac Newton! Ainda bem que não viveu o bastante para vir para estas plagas tropicais e constatar que aquelas leis todas que lhe consumiram anos de estudo, seriam devidamente refugadas por “fundamentos bem mais científicos” no século XXI.

Vejamos a “subida” da Classe “C” no Brasil nestes anos “dourados”. Em 2002, os domicílios onde viviam esses brasileiros, cuja renda domiciliar, varia de dois a cinco salários mínimos, representavam 34,6% dos domicílios brasileiros. Em 2009, já transformados em “turbinadores” da economia brasileira, haviam incrementado para 37,3%. Proeza possível porque, parte daqueles que moravam em domicílios com renda domiciliar variando entre cinco e vinte salários mínimos que, em 2002 representava 26,1% dos domicílios brasileiros, se “aborreceu” e o contingente reduziu para 21,1%.

Portanto, o incremento da classe “C” se deu devido a uma redução, proporcional e absoluta, das classes posicionadas em situação superior. Essa gente agora é “paparicada” com propaganda, crédito consignado, e outras “maravilhas”. Até para comprar automóvel “popular”, pagando a “perder de vista”, literalmente. Isto porque, lá pela quarta “suave” prestação, a concessionária resgata o bem que não foi pago, porque o comprador da classe “C” não conseguiu bancá-la. Perdem de vista e a posse do bem que concorria com os parcos espaços da modesta casa alugada, ou financiada pela Caixa, num bairro periférico, sem água, sem saneamento, sem escola para os filhos. Detalhes irrelevantes, pois estão “felizes” por, finalmente, serem reconhecidos pelos poderosos de ocasião. Caso nada dê certo, sempre haverá a possibilidade de estarem habilitados a receber uma bolsa família, bolsa natalidade… Uma bolsa qualquer coisa e, claro, uma vaga na universidade como “cotista”. Prá que vida melhor?

============

*Artigo publicado em 18/08/2012.

Anúncios

Secretário de cultura de Bequimão deve ser solto nesta quinta-feira

Sidney Carvalho de Jesus foi alvo de acusações de abuso sexual em junho.
Das dez denúncias contra o secretário, oito foram retiradas pelas famílias.

Do G1 MA

Após decisão do juiz da comarca do município de Bequimão, Marcelo Frazão Pereira, o secretário de cultura do município, Sidney Carvalho de Jesus, que estava preso desde o dia oito de junho, deve ser solto nesta quinta-feira (23).

Na época da prisão, dez acusações de abuso sexual contra crianças foram feitas contra o secretário. Das dez denúncias, oito foram retiradas. Apenas duas famílias mantêm a denúncias de violência sexual.

O delegado de Bequimão, Jorge Antônio da Silva confirmou a informação e aguarda recebimento do alvará de soltura para liberar o secretário Sidney Carvalho de Jesus.

Acabou o zumzumzum: TRE garante candidatura de Doutor

Doutor teve a candidatura confirmada pelo TRE

O TRE-MA (Tribunal Regional Eleitoral) julgou procedente o recurso impetrado pelo vereador Doutor (PDT) e deferiu o registro da candidatura. A decisão da maioria dos membros do TRE reforma a sentença da juíza da 37ª Zona Eleitoral, Marcela Santana Lobo, que havia indeferido o pedido de registro da candidatura do pedetista.

A contestação à candidatura de Doutor teve como autor a coligação “Mudança e Renovação — PMDB/PP/PTN”, que apóia o candidato Zé Martins (PMDB), sob a justificativa de que o candidato do PDT teve prestação de contas de gestão da Câmara de Vereadores  rejeitada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

No entanto, a maioria dos membros do TRE argumentou na decisão favorável a Doutor que não pode ser aplicada ao caso  a LC n° 135/2010, que determina o novo prazo de inelegibilidade de oito anos.

Portanto, o vereador e candidato à reeleição já cumpriu a sanção prevista anteriormente na LC 64/90, que era de cinco anos de inelegibilidade. Votaram contra apenas os juízes Nelson Loureiro dos Santos e Luiz de França Belchior Silva. Leia abaixo o acórdão do TRE:

TRE-MA confirma candidatura de Magal a prefeito e de Graça a vereadora

TRE mantém registro da candidatura de Magal a prefeito

A Corte do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão rejeitou por unanimidade e de acordo com o parecer do Ministério Público Federal recurso impetrado pela Coligação “Bequimão no Rumo Certo” contra o registro da candidatura de Magal (PT) a prefeito de Bequimão.

O entendimento dos juízes é que a coligação que apóia o prefeito e candidato à reeleição Antonio Diniz (PDT) não possui legitimidade para recorrer da decisão da juiza de primeira instância (Pinheiro) que já havia deferido o registro de candidatura.

Magal comemorou o resultado e pregou a mudança na política de Bequimão. “Nossa população já está saturada destes dois grupos que há décadas se revezam no comando do município e nunca conseguiram implementar um projeto de desenvolvimento econômico e social sustentável para Bequimão, deixando nossa cidade no atraso e nossa população abandonada. Um representa o atraso e o outro o abandono, por isso temos que dar oportunidade a renovação, a mudança e garantir o sonho da terceira via”, disse.

GRAÇA NA DISPUTA

Os membros do TRE-MA deram provimento também ao registro de registro da candidata a vereadora Graça Correia (PCdoB), que havia sido indeferida pela juíza da 37ª Zona Eleitoral. Com a decisão, a comunista concorrerá à vaga na Câmara de Vereadores.

Com informações do Blog do Zé Inácio

Ideb: Minas Gerais, U.I. Jacioca, E.M Rui Barbosa, Domingos Boueres são as melhores escolas de Bequimão

Os dados do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) divulgados pelo Ministério da Educação (MEC) apontam a Escola Municipal Rui Barbosa como a única instituição de ensino fundamental de Bequimão a atingir a meta estabelecida para 2011. A escola obteve como resultado 2.7 pontos exatamente a meta projetada pelo MEC. No ano de 2009, a E.M. Rui Barbosa registrou no ciclo incial até a 4ª série / 5º ano a média de 2,4 pontos. Portanto, melhorou em 0.3 pontos. Clique sobre a imagem abaixo e veja os detalhes:

Embora tenha obtido a maior média do município com 3.9 pontos a U.E. Estado de Minas Gerais não alcançou a meta projetada de 4.2 pontos para 2011. No entanto, é a escola com a maior média do Ideb registrado até a 4ª série / 5º ano.

A segunda escola com maior nota no Ideb é  U.I. Jacioca, que obteve média de 3.4 pontos. Como não obteve média na Prova Brasil em 2009, não tinha meta estabelecida para 2011. Já a meta para 2013 é de 3.7 pontos.

SEGUNDO CICLO

Na avaliação da 8ª série / 9º ano do ensino fundamental apenas as escolas U.E. Estado de Minas Gerais com 3.5 pontos e U.I. Domingos Boueres, com 2.9 pontos registraram nota em 2011. Como não obteve média na Prova Brasil em 2009, a Minas Gerais não teve meta projetada para 2011. Por outro lado, a média estabelecida para o Domingos Boueres para 2011 era de 3.3 pontos, ficando a 0.4 pontos de alcançar a meta. Clique sobre a imagem abaixo e veja os detalhes:

Leia também

EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO MELHOROU, SEGUNDO IDEB

RESULTADO DO IDEB E A ‘REVOLUÇÃO NA EDUCAÇÃO’ DE ROSEANA SARNEY